13 junho, 2014

O Gato de Madame do Genial Artista Amácio Mazzaropi.




O Gato de Madame é um filme brasileiro de 1956 do gênero Comédia, co-escrito e dirigido por Agostinho Martins Pereira, estrelado por Amácio Mazzaropi. Foi filmado nos estúdios da Companhia Cinematográfica Vera Cruz em São Bernardo do Campo.

Arlindo Pinto é um engraxate preguiçoso, casado e pai de uma filha pequena. A esposa é lavadeira e pede a ele que leve roupas a uma cliente num bairro rico de São Paulo. Ao voltar para a rua, Arlindo é seguido por um gato e acaba ficando com o animal. O gato é o mascote de uma rica dama dona de uma fábrica de tecidos que ofereceu uma recompensa de cem mil cruzeiros a quem lhe devolvesse o animal que fugira de casa. Uma quadrilha de bandidos chefiada por um misterioso líder mascarado descobre sobre o gato de Arlindo e o acaba raptando. Ele foge dos bandidos, atrapalhando uma sessão espírita, invadindo o Museu do Ipiranga (onde sonha com os fantasmas de Dom Pedro I, Dom Pedro II e da Marquesa de Santos) e se torna convidado de honra em um desfile de misses

Museu Mazzaropi, O Gato de Madame

Filme O Gato de Madame - Amácio Mazzaropi
Nesse Filme. meu tio, José Vicente, alem de alugar o carro do filme, participou de uma cena: no video, (+- 1h25m33s), Ele aparece com papagaio numa gaiola que troca algumas palavras com Mazzaropi. 
Meu tio só conhecia Mazzaropi assim. Nada mais pessoal. Assim que o flme terminou, meu tio adoeceu e Amácio foi visitá-lo, afinal, era um colaborador de trabalho,
Assim era Amácio Mazzaropi: Gênio que Sabia ser gente.
 Nosso Charles Chaplin: transformava a Simplicidade em obras de Arte. 
Orgulho-me de ser do mesmo Estado que ele. 
Ele é o Maior Caipira nascido na maior metropole da América latina. 
Toda Minha Admiração e todo Meu Respeito.



Semana Mazzaropi será marcada por diversas comemorações
1981 - Amácio Mazzaropi, cineasta e comediante brasileiro (n. 1912).


Amácio Mazzaropi (São Paulo, 9 de abril de 1912 — São Paulo, 13 de junho de 1981) foi um ator e cineasta brasileiro


Filmografia

  1. 1952 - Sai da frente
  2. 1952 - Nadando em dinheiro
  3. 1954 - Candinho
  4. 1955 - A carrocinha
  5. 1956 - Fuzileiro do Amor
  6. 1956 - O Gato de Madame
  7. 1956 - Chico Fumaça
  8. 1957 - O Noivo da Girafa
  9. 1958 - Chofer de Praça
  10. 1959 - Jeca Tatu
  11. 1959 - As Aventuras de Pedro Malazartes
  12. 1960 - Zé do Periquito
  13. 1961 - Tristeza do Jeca
  14. 1961 - O Vendedor de Linguiça
  15. 1962 - Casinha Pequenina
  16. 1963 - O Lamparina
  17. 1964 - Meu Japão Brasileiro
  18. 1965 - O Puritano da Rua Augusta'
  19. 1966 - O Corintiano
  20. 1967 - O Jeca e a Freira
  21. 1969 - No Paraíso das Solteironas'
  22. 1969 - Uma pistola para Djeca
  23. 1970 - Betão Ronca Ferro
  24. 1972 - O Grande Xerife
  25. 1973 - Um Caipira em Bariloche
  26. 1973 - Portugal... Minha Saudade
  27. 1974 - O Jeca Macumbeiro
  28. 1975 - Jeca contra o Capeta
  29. 1977 - Jecão, um Fofoqueiro no Céu
  30. 1978 - O Jeca e seu filho preto
  31. 1979 - A Banda das Velhas Virgens
  32. 1980 - O Jeca e a Égua Milagrosa
  33. Maria Tomba Homem (não concluído)

A partir de Chofer de Praça, em 1958, além de ser o protagonista, Mazzaropi também acumula as funções de produtor e roteirista, colaborando frequentemente com os diretores. Recentemente, foi lançada em DVD uma coleção de 22 de seus filmes em sete volumes. Alguns dos filmes tinham no título o nome "Jeca" mesmo ele tendo interpretado esse personagem apenas no filme Jeca Tatu.


Homenagens

Desde a década de 80 a cidade de São Paulo possui equipamentos culturais com filosofia descentralizada com o objetivo de formar profissionais da arte e da cultura (ou reforçar a sua formação). A Oficina Cultural que homenageia Amácio Mazzaropi foi criada em agosto de 1990 e está instalada num edifício centenário (1912), construído especialmente para abrigar a segunda mais antiga escola normal de São Paulo, a Escola Padre Anchieta. O Condephaat tombou o prédio em 1988. Trata-se de um centro fomentador da cultura brasileira, responsável em trabalhar o resgate da cultura popular e o intercâmbio entre artistas com atividades nas diversas expressões artísticas. O objetivo é integrar artistas amadores e profissionais, formar públicos e ampliar sua atuação para bairros próximos do centro da cidade, como Brás, Pari, Belém e Mooca.
Outra homenagem significativa é o filme longa-metragem Tapete Vermelho. É a história de um caipira (vivido por Matheus Nachtergaele) que resolve mostrar ao filho quem era Mazzaropi. No caminho até o cinema que exibe um filme do comediante, pai e filho se envolvem com violeiros que venderam a alma ao diabo, com mandingas, com o Movimento dos Sem-Terra, com vigaristas que lhes roubam a mula, com caminhoneiros e até com um milagre em Aparecida. Experiências que vão render a ambos uma grande lição sobre direitos humanos. A homenagem não para no argumento do filme (que tem direção de Luiz Alberto Pereira): o ator Matheus Nachtergaele compõe um tipo com o mesmo andar e a mesma voz do ídolo.
No Carnaval de 2013 a Escola de Samba paulistana Acadêmicos do Tucuruvi prestou uma homenagem a Mazzaropi pelo centenário de seu nascimento em 2012, apresentando o enredo "Mazzaropi: o adorável caipira. 100 anos de alegria"

  1. Museu Mazzaropi
  2. Amácio Mazzaropi (em inglês) no Find a Grave.
  3. http://www.saopaulominhacidade.com.br/historia/ver/5898/Amacio%2BMazzaropi%2B-%2B100%2Banos%2Bde%2BHistorias%252C%2Brisos%2Be%2Bemocao.../pagina/2
  4. http://www.overmundo.com.br/overblog/hebe-camargo-80-anos-preferencia-nacional
  5. Cinemateca Brasileira, Jecão... Um Fofoqueiro no Céu [em linha]
  6. Caras on Line. 10/02/2013 - Com muito brilho, Acadêmicos do Tucuruvi homenageia Mazzaropi na avenida. Página visitada em 11 de Fevereiro de 2013.


http://www.canalkids.com.br/arte/galeria/imagens/mazzaropi.gif
http://www.canalkids.com.br/arte/galeria/mazzaropi.htm


Amacio Mazzaropi nasceu em 1912 em São Paulo, mas foi criado na cidade de Tremembé, no interior. Começou a carreira contando anedotas e causos em apresentações no Circo La Paz. Em 1946, estreia na Radio Tupi, o programa Rancho Alegre, levado á TV em 1950, com o mesmo nome.
Em 1952, estreia seu primeiro filme, Sai da Frente, produzido pela Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Nesse mesmo ano, cria sua própria produtora de filmes, e começa a colecionar sucessos. Sucessos que o levaram para as páginas de um gibi, lançado em 1956, também pela La Selva. A equipe da editora, utilizava fotos de Mazzaropi tiradas por Zaé Junior, como base para os desenhos.



Jayme Cortez fez as capas do número 1 ao número13


A partir do número 14, as capas passaram a ser assinadas por Izomar Camargo Guilherme
Essa primeira fase da revista foi até 1958 e saíram 14 numeros. Algum tempo depois, em 1965, a La Selva decide retornar com o título, lançando mais 20 edições, encerrando sua publicação em 1967. Jayme Cortez fazia a maioria das capas e também produzia os cartazes dos filmes de Mazzaropi.


Capa de Jayme Cortez


EDITORA LA SELVA

Fundada em 1950, a Editora La Selva enxergou no sucesso das duplas circenses e nos astros do cinema, uma oportunidade de criar revistas em quadrinhos nacionais. Seu proprietário Vito La Selva, já contava com uma equipe de colaboradores extremamente talentosa que cuidava das revistas da casa, principalmente a TERROR NEGRO, seu primeiro grande sucesso. Dessa equipe faziam parte: Reinaldo de Oliveira, Milton Julio, Claudio de Souza, Alberto Maduar, Flávio de Souza, Messias de Mello, João Batista Queiroz, Miguel Penteado, Aylton Thomaz, Izomar Camargo Guilherme, Gedeone Malagola, Nico Rosso, Sérgio Lima, Syllas Roberg, Jerônimo Monteiro, Julio Shimamoto, Juarez Odilon, Veneziano, José Fioroni Rodrigues e Jayme Cortez, como Diretor Artístico e Capista.
Funcionando em uma casa na V. Mariana, em São Paulo, o ambiente era sempre alegre e festivo, afinal de contas, quem comandava era uma família italiana.
http://kdfrases.com/frases-imagens/frase-quero-morrer-vendo-uma-porcao-de-gente-rindo-em-volta-de-mim-amacio-mazzaropi-119932.jpg